23 de agosto de 2009

disappear

Texto antigo. Mas faz parte também, já que ninguém lê!


“...em meio a terceira xícara de café, a esse sentimento demente que me assola o peito, e o milésimo pensamento fútil, inicio essa reflexão sobre um poema, que na realidade supera a real denominação de poema, e já se torna algo como um pensamento, um sentimento, uma reflexão. Assim sendo, inicio agora a reflexão sobre outra reflexão, muito mais renomada que minha singela opinião aqui mostrada, mas que no entanto, não deixa de ser digna como o mais conhecido dos romances de Shakespeare.
...pouco, diria. Quase nada. No entanto, sábios são aqueles que conseguem absorver, mesmo que 10%, de um fabuloso pensamento como o mostrado no poema. Sim, diria eu que este é, sem sombra de duvida, uma das mais sinceras e belas palavras a cerca da vida, que já foram escritas. Afinal, o mundo vive hoje num constante disparate em que todos querem se mostrar melhores, mais poderosos, mais ricos... No entanto, fogem da real significância do próprio ser, do próprio viver. Afinal, de que serve toda glória de se mostrar superior ao próximo,de se mostrar influente, simplesmente para alimentar o próprio ego, sendo que a felicidade não será encontrada em nenhum escritório, em nenhuma conta bancaria, em nenhuma festa. A felicidade, real felicidade, não é encontrada por todos, pelo único motivo de que todos procuram onde foram ensinados, e não onde realmente deviam procurar. Que é na própria vida, no próprio viver...
concordo que é absurdo, a primeira vista, a idéia de que a felicidade se encontra no simples respirar, no simples acordar de cada manhã. No entanto, por que a felicidade haveria de estar em algum outro lugar? Não procuramos felicidade, pois a felicidade somos nós que fazemos. Não procuramos amigos, procuramos pessoas que nos façam felizes. A nossa eterna busca por felicidade, sempre é, e sempre será incompleta. Por quê? Pelo simples fato, de que a nossa ignorância nos cega a ponto de não encontrarmos o que já se encontra em nós mesmos. Procuramos tanto, a felicidade em outra pessoa, que acabamos por esquecer de procurar no lugar mais óbvio. Que local é esse? Em nós mesmos...
a real felicidade, se encontra naquele que a sente. “Rega tuas plantas, ama tuas rosas. O resto é sombra de arvores alheias”. AMA-TE, antes de procurar amor. ADORA-TE, antes de procurar por idolatria.
Nada foge disto. Procuramos a vida toda, por alguém como a gente, alguém que entenda dos nossos sentimentos, alguém compreensivo, alguém que nos acaricie quando sentimos carência, alguém que nos abrace com ardor, com ternura. E com isso, simplesmente fechamos os olhos, pra realidade, pra vida. NÃO HÁ NINGUÉM QUE TE ENTENDA! Mesmo que você procure a vida toda, por sua alma gêmea, nunca a encontrará; “Só nós somos sempre iguais a nós - próprios.”
Viver, simplesmente viver. É isso que todos nós deveríamos buscar durante nossa passagem pela Terra. Ao invés de se importar tanto com sentimentos, com afetos, com vínculos, com amores. A maioria dos grandes filósofos, eram sozinhos. Sem mulher, filhos, família. Seriam eles loucos, por manterem uma vida de reclusão, alucinações, demências? Ou, seriam eles gênios, que ao verem que a felicidade estava num simples acordar, num simples se levantar, perceberam que qualquer outra forma de vida que pudesse corromper essa perfeição era descartável?
“A solidão é a sorte de todos os espíritos excepcionais.”
Arthur Schopenhauer
A vida, não é como a matemática, a álgebra, a geometria. A vida, simplesmente é a vida, sem mais nem menos. Não espere um mundo de fantasia, nem histórias comoventes, muito menos milagres. Não questione sobre o sentido disso tudo. “Para onde vamos? De onde viemos? O que é a vida?”. Perguntas normalmente comuns, no entanto, tenho uma visão extremamente fechada sobre o sentido, futuro, passado. Minha visão é a de que, nenhuma visão está certa. Não há um porque, nem tudo pode ser explicado com simples palavras, e nem precisa ser explicado. Basta existir, para ser importante. Nada precisa ter um significado obscuro, uma interpretação. A vida, está aqui com o simples objetivo de ser vivida, e não de ser explicada. Portanto, não a questione. Ela nada pode dizer-te.
Termino então, conservando a idéia de que uma vida, não tem por objetivo ser definida, ser delimitada, ser trilhada. A vida, tem como objetivo central, simplesmente ser a vida. Sem indagações sobre presente, passado e futuro. Nada precisa de um significado, para existir...”


“A vida não é a que cada um viveu, mas a que recorda
e como a recorda para contá-la.” - Gabriel García Márquez
“O Homem vive preocupado em viver muito e não em viver bem,
quando afinal não depende dele viver muito mas sim viver bem”. - Séneca


-marcelo

2 comentários:

Maitê disse...

Esse é o tipo de texto que faz vc ficar pensando na vida, na felicidade e nos bens não materiais, mas sim nos bens que a gente vai levar pra eternidade.

vítor h. disse...

cara, eu tenho isso. lembra? tempos em que as nossas conversas duravam horas, pq assim podia ser.